O caso da cerveja contaminada em Minas Gerais

UFRJ oferece curso de Engenharia Matemática
UFRJ oferece nova graduação: Engenharia Matemática
01/14/2020
Lançamento do livro Engenharia de Fundações
A importância da Engenharia de Fundações
01/24/2020

O caso da cerveja contaminada em Minas Gerais

O caso da cerveja contaminada em Minas Gerais

O recente caso das amostras de cerveja contaminada com etilenoglicol e dietilenoglicol veiculado amplamente pela mídia despertou interesse e curiosidade nas pessoas sobre essas substâncias químicas. Nesse sentido, esse texto visa esclarecer alguns pontos.

Etanol x Etilenoglicol (MEG) x Dietilenoglicol (DEG)

Etanol

Para começar, o etanol é o álcool encontrado em bebidas alcoólicas e causador dos efeitos fisiológicos conhecidos desses produtos. Trata-se de um álcool com dois átomos de carbono.

Etilenoglicol (MEG)

O etilenoglicol, também conhecido como monoetilenoglicol (MEG), é bastante semelhante ao etanol, com a diferença que possui um grupo hidroxila a mais.

Dietilenoglicol (DEG)

Já o dietilenoglicol (DEG) é também semelhante ao etanol e ao MEG. Porém, enquanto os outros dois são substâncias monofuncionais, o DEG é uma molécula híbrida, que apresenta as funções álcool e éter.

Figura indica as diferenças estruturais entre o Etanol, o MEG e o DEG.
Diferenças estruturais entre o Etanol, o MEG e o DEG.

O MEG e o DEG na indústria

O emprego do MEG e do DEG, entre outros, é como agente empregado em fluidos de refrigeração em sistemas de arrefecimento em motores ou trocadores de calor em processos industriais.

Quando um tanque ou um reator em uma fábrica precisa trabalhar em uma faixa definida de temperatura, mas o processo que ocorre no tanque ou reator gera calor, o mesmo precisa ser acoplado a um sistema de arrefecimento.

Sistemas de arrefecimento: água, MEG e DEG

Os sistemas de arrefecimento empregam um fluido que trocam o calor com o tanque ou reator. Esse fluido poderia consistir simplesmente de água, mas a água congela a 0 °C e ferve a 100 °C e processos industriais podem demandar faixas mais amplas de temperatura. É justamente esse o papel do MEG e do DEG no processo.

Por meio de propriedades coligativas, o MEG e o DEG interagem com a água, de modo que o fluido resultante da dessa mistura apresente pontos de congelamento menor que o da água pura e temperatura de ebulição maior que 100 °C.

Por essa capacidade, o MEG e o DEG são chamados de aditivos, ou substâncias anticongelantes, e são amplamente empregados em indústrias.

Cerveja contaminada: toxicidade do MEG e do DEG em seres humanos

O MEG e o DEG, entretanto, são extremamente tóxicos em casos de ingestão por parte das pessoas. A explicação está na forma como eles são metabolizados pelo organismo.

Toxicidade do MEG

O MEG, ao ser ingerido, é metabolizado em aldeído glicólico, depois em ácido glicólico e, em seguida, em ácido oxálico. O ácido oxálico é um agente que reage com íons cálcio, formando oxalato de cálcio, que se deposita da forma de cristais em tecidos de órgãos importantes, como rins e coração. Além disso, essa precipitação diminui a disponibilidade de íons cálcio, que têm papel fundamental em processos fisiológicos, como a contração muscular, por exemplo.

Toxicidade do DEG

O DEG é metabolizado primeiramente a 2-hidróxi-etóxi-acetaldeído, que é convertido em ácido 2-hidróxi-etóxi-etanoico, o qual é responsável pela toxicidade do DEG. Todavia, a toxicologia do DEG ainda não está completamente compreendida como a do MEG.

Conclusão

Independentemente do quão compreendidos estejam os mecanismos toxicológicos do MEG e do DEG, o fato é que são substâncias perigosíssimas que, se ingeridas em altas doses, podem levar ao óbito. Portanto, nesse caso dos lotes de cerveja contaminada, nos resta confiar nas investigações das autoridades de Minas Gerais para que o fato seja esclarecido e que não se repita.

Raphael Salles Ferreira Silva
Raphael Salles Ferreira Silva
Raphael Salles Ferreira Silva é farmacêutico formado pela UFRJ, mestre e doutor em Química de Produtos Naturais pela UFRJ, com experiência em pesquisa nas áreas de química de produtos naturais, síntese orgânica, química de heterociclos, técnicas cromatográficas, geoquímica orgânica e química de combustíveis. É professor de Química Orgânica do IFRJ, ministrando aulas para cursos técnicos profissionalizantes de nível médio e cursos de graduação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *