Dia 8 de Novembro é comemorado o Dia do Urbanismo

Desabamento do Condomínio Residencial Andrea: o que aconteceu?
11/01/2019
Projeto Minas Mulher: inclusão com apoio da tecnologia
11/11/2019

Dia 8 de Novembro é comemorado o Dia do Urbanismo

Longa vida ao Urbanismo!

Vicente del Rio, Ph.D.

O Urbanismo, como atividade de organização intencional de pessoas em um espaço definido, começou quando o homem se tornou animal social. Necessidades de sobrevivência, defesa e trocas, assim como valores compartilhados e crenças religiosas, nos levaram a organizar aldeias, vilarejos e, eventualmente, cidades. Com o avanço e a sofisticação das civilizações, as cidades tornaram-se cada vez mais complexas, com culturas e modos de vida e de produção distintamente urbanos. 

Em meados do século XIX, a Revolução Industrial transformava a civilização ocidental em uma sociedade verdadeiramente urbana, enquanto os críticos das péssimas condições urbanas da época viam a organização do espaço como veículo para transformações sociais. Na virada do século XX, a partir do trabalho de Idelfonso Cerda, genial criador do plano para a expansão de Barcelona, o Urbanismo apareceria pela primeira vez com o seu sentido moderno: sistematização de saberes e práticas de pensar e construir cidades.

As grandes escolas do Urbanismo

Embora de cunho necessariamente interdisciplinar, arquitetos, engenheiros, sociólogos, médicos sanitaristas, geógrafos, filósofos, escritores, e tantos outros, tomariam para si o Urbanismo, o que se refletiu em duas grandes “escolas”: uma voltada à crítica social, outra voltada à ação transformativa. 

Ambas são fundamentais, precisam trabalhar juntas e alimentar-se uma da outra para progredir. São responsáveis por incríveis avanços na sociedade urbana contemporânea, mas também por terríveis equívocos que deixaram marcas indeléveis como, por exemplo, os princípios modernistas da Carta de Atenas, o funcionalismo exacerbado, ou a noção de marginalidade urbana. 

Centros e bairros inteiros de cidades foram destruídos, cidades foram rasgadas por vias expressas, funções e usos foram ilhados, leis equivocadas geraram ambientes frios e monótonos, populações foram sacrificadas e comunidades ignoradas.

Dia do Urbanismo: uma data para comemorar

Mas, neste 8 de novembro, conclamamos: “O Urbanismo está Morto! Longa Vida ao Urbanismo!” O Urbanismo que assume o trono não se contenta mais com uma visão única e simplória de cidade, já que vê nela o produto mais complexo e dinâmico da nossa civilização que, por sua vez, está em constante mutação. 

Num mundo em que a ganância econômica, os desequilíbrios sociais, a falta de diálogo e os impactos ambientais parecem fazer a nossa sociedade regredir, o Urbanismo pode e deve ser um veículo para transformações sociais positivas, promovendo a participação comunitária, a plena acessibilidade, a diversidade social, a sociabilidade, o conforto, a dinâmica econômica, a sustentabilidade e, porque não, a cidade como obra de arte.

Para saber mais sobre urbanismo social

Gostou do conteúdo? Então saiba mais sobre o tema com o livro Desenho Urbano Contemporâneo no Brasil, de Vicente Del Rio.

A obra discute o tema num período de superação do paradigma modernista e de abertura política, demonstrando os esforços por um urbanismo social e culturalmente engajado, e cidades mais justas e de melhor qualidade de vida para todos.

Após situar o leitor no contexto histórico, social e político do desenho urbano contemporâneo no Brasil, o livro traz doze estudos de caso apresentados por pesquisadores de renome que avaliam experiências em oito capitais brasileiras, agrupadas de modo a revelar as três principais tendências: Modernismo Tardio, Revitalização e Inclusão Social.

Clique aqui para saber tudo sobre a obra!

Vicente del Rio
Vicente del Rio
Arquiteto-urbanista, PhD. Profesor titular, City and Regional Planning Department, California State University San Luis Obispo. Professor visitante, programa de Urbanismo, Universidade Lusofona de Lisboa. Autor de, entre outros titulus, Introdução ao Desenho Urbano no Processo de Planejamento (Editora Pini, 1990) e Desenho Urbano Contemporâneo no Brasil (Editora LTC / Grupo GEN, 2013). Veja mais em www.vicentedelrio.net

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *