Engenharia: que tipo de profissional o mercado busca?

Engenharia Civil: o que esperar do curso
08/08/2019
A Didática na formação de professores
08/23/2019

Engenharia: que tipo de profissional o mercado busca?

Novo perfil profissional para se adequar ao mercado de trabalho

O mercado de trabalho mudou e, com isso, vieram novas exigências. Amplo, dinâmico e globalizado, o profissional do século XXI inevitavelmente precisa se reinventar e buscar novas habilidades.

Ao que parece, o tempo para se dedicar a apenas um emprego, em uma carreira específica, acabou. Hoje, o profissional mais requisitado é aquele que consegue ser multitarefas e se adapta facilmente às mudanças. 

Empresas gigantes do ramo da tecnologia, como Google e Apple, já deixaram de exigir diploma, buscando profissionais diferenciados e que saibam trabalhar de forma mais dinâmica e – por que não? – excêntrica.

Contudo, isso não implica na extinção das universidades. Pelo contrário: em 2016, por exemplo, houve elevação de quase 1,5% na oferta de emprego para quem concluiu o Ensino Superior. As empresas não estão interessadas em ignorar diplomas, mas tendem a recrutar profissionais com múltiplas competências, que vão além da formação tradicional. Resiliência, comunicação, sociabilidade, liderança e criatividade são algumas das características que começaram a ser consideradas para o profissional da Era 4.0. 

A globalização – há décadas –, o avanço da tecnologia e a recessão se impõem para mudar o status quo do mercado de trabalho. De acordo com reportagem do site EM (Jornal Estado de Minas), a experiência profissional continua sendo extremamente importante, mas, de forma isolada, não é mais suficiente. Agora, é preciso se capacitar para ampliar sua visão tanto para dentro como para fora da empresa.

A reportagem ainda aponta que o novo profissional que se adequa ao mercado é aquele que tem capacidade e aperfeiçoamento técnico. Além disso, ter boas competências emocionais e visão estratégica pode ser o caminho para permitir o alinhamento entre a capacidade profissional e humana. 

Segundo Maurício Garcia, vice-presidente de Inovação e Ensino do Grupo Adtalem Educacional do Brasil, dentro de um período de cinco a dez anos, as competências socioemocionais serão mais valorizadas do que as técnico-profissionais. 

Portanto, quem busca crescimento e aperfeiçoamento na profissão, deve ir além: focar na interdisciplinaridade e nas características emocionais, buscando aprimorar competências e novas habilidades.

GEN Exatas
GEN Exatas
Editorial GEN Exatas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *