NBR 6122: considerações sobre a norma de Projeto e Execução de Fundações

Realidade aumentada para entender fenômenos da natureza
Realidade aumentada e o furacão Delta
10/08/2020
impressão 3D e os diferentes tipos de materiais
Impressão 3D em metais, cerâmicas e polímeros
10/30/2020

NBR 6122: considerações sobre a norma de Projeto e Execução de Fundações

A importância da NBR 6122:2019

A norma da ABNT NBR 6122:2019 (Projeto e Execução de Fundações) tem a finalidade de especificar os requisitos que devem ser observados nos projetos e execução de fundações. A norma é composta por nove itens e dezoito anexos (A a R) em que são descritos os processos executivos.

Itens da NBR 6122 

Veja, a seguir, cada um dos itens que compõem a NBR.

  • Escopo;
  • Referências Normativas;
  • Termos e Definições;
  • Investigação Geológico-Geotécnica;
  • Ações nas Fundações;
  • Segurança nas Fundações;
  • Fundações Rasas;
  • Fundações Profundas;
  • Desempenho das Fundações.
Um projeto de fundação visto de cima.

Escopo e Referências Normativas

No Escopo e Referências Normativas, é feita uma introdução e uma listagem das normas que são indispensáveis à utilização da NBR 6122.

Termos e Definições

Em Termos e Definições, são apresentadas as principais expressões e a elucidação de cada elemento utilizado na referida norma.

Investigação Geológico-Geotécnica

No item Investigação Geológico-Geotécnica são descritos os ensaios de campo e a obrigatoriedade da realização do ensaio de simples reconhecimento (SPT) para qualquer edificação. Prescreve as investigações complementares laboratório com vistas a classificar os solos e na determinação das propriedades de engenharia (resistência, deformabilidade e permeabilidade).

Ações e segurança nas fundações

As Ações e Segurança nas fundações são retratadas devendo seguir a prescrição da Norma de ações e segurança nas estruturas (NBR 8681) e os aspectos relativos aos estados limites últimos (ELU) e de serviço (ELS).

Fundações rasas

Com relação ao item relativo às fundações rasas, são retratados os critérios para a determinação da tensão admissível ou da tensão resistente de cálculo, bem como a forma para a obtenção, por meio de métodos teóricos, semiempíricos ou por prova de carga em placa.

São descritos casos particulares, como os aspectos relacionados ao apoio em rocha, solos expansivos e colapsíveis, e dimensionamento estrutural.

Fundações profundas (estaca e tubulão)

Para o caso de fundações profundas (estaca e tubulão), são abordados os aspectos relacionados à carga admissível e à força resistente de cálculo.

Além disso, são tratados os fatores a serem considerados na determinação desses parâmetros e o meio para sua obtenção, que podem ser pela utilização de métodos estáticos (teóricos e semiempíricos) e provas de carga.

São descritas também as forças que podem atuar, citando tração, transversal e atrito negativo. O

s aspectos relacionados ao dimensionamento estrutural também são apresentados, bem como as questões relativas aos efeitos de segunda ordem, cobrimento da armadura, estacas moldadas in-loco, pré-moldada, metálica, madeira e tubulões.

Desempenho das fundações

São apresentados também os requisitos de desempenho das fundações, descrevendo e sua obrigatoriedade para o caso de estruturas que tenham variação de carga significativa (silos e reservatórios), estruturas com mais de 50 m de altura do piso, relação altura/largura (menor dimensão) superior a quatro e fundação e/ou estruturas não convencionais.


Para saber mais sobre projetos de fundações e execução, indicamos a leitura do livro Engenharia de Fundações.

Paulo J. R. Albuquerque
Paulo J. R. Albuquerque
É Professor livre-docente da Faculdade de Eng. Civil, Arquitetura e Urbanismo da Universidade Estadual de Campinas - Unicamp, onde ministra cursos de graduação e pós-graduação da área de geotecnia. Possui mestrado pela Unicamp, doutorado pela POLI-USP e pós-doutorado pela Universidade Politécnica da Catalunha (Espanha). Presidente da Comissão Técnica de Fundações da Associação Brasileira de Mecânica dos Solos (ABMS) (2017-2018) e Presidente do Núcleo Regional de São Paulo – ABMS (2017 - 2020). Atua como coordenador da Comissão de Estudo Especial - Solos (CEE 221) da ABNT.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *